Jurandir da Prensa
São Bento PB

Erotização e Sexualização infantil chamam atenção de são-bentenses esse fim de semana

Erotização e Sexualização infantil chamam atenção de são-bentenses esse fim de semana

16/09/2019 12h09
Por: Mais São Bento
2.350

Com diversos vídeos circulando nos grupos de WhatsApp, com imagens de crianças e adolescentes fazendo batalhas de danças, com movimentos sexuais regado ha músicas de Funk, o encontro foi na Praça de eventos Alzira Alves de Brito (mas conhecida como Praça da Rua Velha), na cidade de São Bento, no Sertão Paraibano.

 

A batalha de dança não foi o que surpreendeu as pessoas que assistiram os vídeos, mas sim, a erotização das danças, com músicas de Funk que contém letras pejorativas, como “dança novinha que eu to te pedindo” e “Grelinho de diamante”, alguns dos vídeos mostra crianças que chegam há encenar o ato sexual. Mas o que choca alguns sãobenteses é aonde estão os responsáveis dessas crianças e se eles concordam com o que elas fizeram neste domingo (15)? E também como foi que esses jovens combinaram de se encontrar e qual meio de comunicação foi utilizado para a divulgação do evento?

 

O que também chamou atenção de algumas pessoas que estão revoltadas com esse evento é a participação de alguns adultos, que dá pra ver em alguns vídeos que eles chegam a incentivar o ato.

 

É importante que os adultos fiquem atentos para as referências que apresentam às crianças, evitando colocá-las em contato com conteúdos inapropriados, como cenas eróticas em filmes, novelas, como também músicas que tenham letras pejorativas, que induzam a criança a danças eróticas. Mas, além disso, os responsáveis de menores de idade tem que ter a consciência de que suas ações e exemplos interferem no crescimento e amadurecimentos dos jovens.

 

Os pais também tem que perder esse costume arcaico de incentivar o “namorinho” de crianças que ainda estão na fase de chupeta e mamadeira, também chama a atenção para o quanto incentivamos beijos e abraços em crianças, muitas vezes de forma nociva para sua individualidade, como quando estimulamos interação com desconhecidos.

“Uma linha bastante tênue passa por esse território, que se justifica tratando do assunto como uma simples brincadeira. O mesmo pode se dar em cenários que parecem ainda mais inofensivos, como quando estimulamos que cantem e dancem utilizando-se de gestos impróprios, usem maquiagens, salto alto e se vistam como ‘gente grande’.”

Isso não quer dizer que as crianças não possam ter curiosidade a respeito do mundo adulto e queiram satisfazer esse interesse pelo que observam, por meio da interpretação lúdica desses papeis. Mas é fundamental que tenham clareza dos limites que existem entre o brincar e a realidade, o que pode ser compartilhado e o que invade os limites do outro. Esse norte será dado sempre pelos adultos, por isso sua participação decisiva nessa condução.

Mais São Bento com São Bento em foco

Essa matéria já foi vista 1856

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários