Jurandir da Prensa
Brasil

Bolsonaro quer crianças de volta à escola

Bolsonaro quer crianças de volta à escola

25/03/2020 06h10
Por: Mais São Bento
661

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que a imprensa espalhou a sensação de pavor na divulgação de informações sobre o covid-19 e criticou governadores por medidas de prevenção à disseminação do vírus.

 

“Devemos sim voltar à normalidade. Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento do comércio e o confinamento em massa”, disse ele em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, nesta terça-feira (24). “Por que fechar escolas?”, questionou ele.

 

O chefe do Executivo disse que o sinal amarelo foi aceso desde que o governo resgatou brasileiros de Wuhan, na China, e o país começou a se preparar para enfrentar o coronavírus. “O que tínhamos que conter naquele momento era o pânico, a histeria e, ao mesmo tempo, traçar a estratégia para salvar vidas e evitar o desemprego em massa”, disse ele.

 

Cloroquina

 

Bolsonaro voltou a citar medicamento cloroquina, que não tem eficácia comprovada para tratamento do novo coronavírus. “O FDA amaricano e o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, buscam a comprovação da eficácia da cloroquina no tratamento do covid-19. Nosso governo tem recebido notícias positivas sobre esse remédio fabricado no Brasil, largamento utilizado no combate à malária, ao lúpus e à artrite”, disse ele.

 

Pandemia apocalíptica

 

Em tom oposto ao de Bolsonaro, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu aos presidentes do G-20, que tomem medida contra o coronavírus para evitar uma “pandemia de proporções apocalípticas”. Segundo registro do repórter Jamil Chade, do UOL, o chefe da ONU também falou abertamente em uma recessão e indicou que o Covid 19 vai exigir uma “resposta como nunca antes”. “Um plano de guerra em termos de crise humana”.

 

 

 

Repercute PB 

Essa matéria já foi vista 328

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.